< Todos os Posts

O que é Tokenização?

Certamente você já esbarrou em algum comentário do tipo: estamos na Era da tokenização, ou, que Token é a mais nova tecnologia ou até mesmo já ouviu falar sobre criptomoedas como Bitcoin e token como Ether

Ahh… antes de começar, em breve vamos ter um curso sobre Tokenização, clique aqui e garanta sua inscrição. 😃

 

 

Mas é claro para você o que é Tokenizar? O que é um Token? O que eles resolvem?

Tenha em mente que o surgimento dessa solução (Tokenizar) amplia nossas opções de escolhas em como podemos gerenciar nossos bens (ativos) e ampliar nosso acesso a investimentos

A Tokenização reduz e em alguns casos até liberta a dependência de intermediários, possibilita genuinamente a transparência de informações,  garante segurança e confiabilidade nas transações,  diminui custos e tempo de operação e gera liquidez, são essas as vantagens que a utilização do modelo de tokenização oferece. Do ponto de vista do investidor, daquele que adquire o Token, esse processo permite o acesso a ativos de alta performance a quem tenha interesse e não mais somente a grandes investidores ou instituições financeiras.

Você deve estar se perguntando: como assim a gente não tem liberdade e acesso limitado a investimentos ? Como Tokenização funciona e me permite autonomia? E o que é um Token mesmo? Eita atrás, de eita ! 🥴

Vamos simplificar de uma vez por todas o que é Tokenizar e o que é um Token. 😁

Assim vai ficar mais fácil de reconhecer a revolução financeira que estamos passando e entender que esse progresso é positivo, e que vivemos em um momento de transformação do modelo financeiro tradicional. 🙌 🙌 🙌

Entendendo o que é Tokenização

Bom a Tokenização é o processo de digitalizar um ativo real de maneira fracionada, assim o proprietário pode negociá-lo mais facilmente ( nesse modelo você “quebra em pequenos pedaços” o seu bem, consegue vender um pedacinho por vez, a uma quantidade maior de pessoas por preço proporcionalmente menor) . 

 

ativos são todo e qualquer bem que possui valor comercial, e que se tem a possibilidade de negociar e ser transformado em dinheiro. Por exemplo,  uma casa, um carro, um terreno, uma patente, ou seja, são ativos (bens) reais.

 


E o que é um Token?

Em resumo, podemos dizer que um Token é a representação digital de um bem real, que tem valor comercial, e que possibilita a negociação facilitada de frações desse ativo. Seja esse ativo tangível ( obras de arte, empreendimentos, carros e etc) ou ativo intangível (patentes, marcas, direitos autorais, carreira artística e esportista e etc). 

Os 6 tipos de Token mais conhecidos

Agora que esclarecemos o que é um Token, e como é o seu processo de criação, ficará ainda mais fácil de entender como funciona essa solução  a partir de um exemplo real.

 

Em 2018, The Royal Mint, a casa da moeda britânica, tokenizou o ouro físico armazenado pela Royal Mint Gold (RMG), através da blockchain desenvolvida em parceria com a Chicago Mercantile Exchange. Assim permitiu que o ouro físico fosse negociado em tempo real, de maneira segura e transparente, a custos mais baixos.  Vocês perceberam a grandiosidade dessa tecnologia e o peso que tem a casa da moeda britânica adotá-la como mecanismo de negociação?

 

Percebam que um representante do modelo financeiro tradicional provou de uma solução revolucionária do novo modelo econômico financeiro, modernizou e praticamente mudou a forma de negociar o ouro e sua liquidez no mundo.

 

O case que acabamos de exemplificar representa uma categoria de token, no caso, Security Token. Saibam que existem diferentes tipos de token, entre os mais conhecidos estão:

 

  • Security Tokens: são os ativos digitais, que espelham um valor mobiliário real e seguem regulamentações de órgãos fiscalizadores, pois estão lastreados por bens da economia tradicional. O não cumprimento da legislação vigente acarretam penalidades ao emissor. Por tanto, são securities criptográficos que possibilitam que investidores o adquiram e que recebam dividendos, lucros e juros pelo aporte realizado.  Exemplo de empresas que já lançaram seus Security Tokens: a empresa Spin, que fabrica patinetes elétricos, levantou US$125 milhões em um STO (Security Token Offering) com tokens atrelados à própria receita, outro emissor de Security Token foi o St. Regis Aspen Resort, um hotel de luxo, que arrecadou US$18 milhões, fracionando sua propriedade.
 
  • Payment Tokens: funcionam exatamente como dinheiro, são criptomoedas, que literalmente se comporta como uma moeda, porém de forma digital.  Tem a função de realizar transferência de capital, agindo como meio de pagamento. Exemplo desse tipo de token são Bitcoin e Stable Coins. Certamente, você já ouviu falar muito em Bitcoin que está em evidência. 

 

  • Token de Antecipação de Recebíveis: também é um token security, porém este é o token que permite que uma empresa que receberá a longo prazo um montante antecipe certo valor monetário e em troca ela oferece devolver o investimento com juros a aqueles que fizeram essa antecipação. Geralmente o Token já tem previamente estabelecido o cálculo de porcentagem de juros de retorno e prazo para que ocorra o acerto a aqueles que adquiriram o token. A dinâmica é muito similar ao empréstimo feito junto a uma instituição financeira, porém nesta proposta é possível você fazer essa oferta diretamente a investidores, tornando uma relação direta sem intermediários. Por exemplo, imagine que você é tem um canal famoso no Youtube e você já sabe que receberá certa quantia por esse trabalho, mas você precisa de dinheiro imediato para lançar um produto novo, você pode usar desse modelo de token para alcançar a antecipação do valor necessário para sua ação.
 
  • Token de Mecanismos de Solidariedade: é outro exemplo de security token,  criado para antecipar capital aos clubes de futebol formadores de atletas, o investidor desse tipo de token, adquire o direito de receber porcentagens  do valor que o clube formador a cada nova transferência desse atleta. Um case, desse tipo de token,  ocorreu com o time carioca Vasco da Gama que em parceria com o CSMV Advogados e o Mercado Bitcoin lançaram quinhentos mil tokens de valor de 100 reais que se referem a doze atletas recém-formados pelo time,  ou seja, os proprietários desse token lucrará a cada eventual transferência desses jogadores.
 
  • Utility Tokens:  esse token oferece uma utilidade àquele que o possui. Ele é uma espécie de moeda, porém somente tem valor quando utilizado em um ecossistema. Podem funcionar como cupons de pré-venda, direito de acesso a uma rede ou serviço, direito de voto, ingressos e programas de fidelidade. Um exemplo prático, são os tokens de utilidades que estão sendo emitidos pelos times de futebol no Brasil e no mundo. Nesta semana o token $Mengo bateu recorde mundial de velocidade de vendas nessa modalidade, foram 1 milhão de tokens vendidos em 12 minutos.
 
  • NFTs: Non-fungible tokens, são o token que representam um bem único que não podem ser substituídos, tornando-o um item exclusivo de colecionador.  O NFT, Everydays: the First 5000 Days do artista Beeple foi o NFT mais caro já vendido segundo a Forbes, ele foi arrematado por US$ 69 milhões (33 mil ETH).

 

Como é o processo de Tokenização de um ativo regulado (Security Token) ?

Basicamente o processo de tokenização na prática, segue quatro etapas:

1°  etapa – Estruturação do token: assim que definido o ativo real que será um token, verifica-se se de fato esse bem existe e se atende aos requisitos para sua criação. Neste momento também é desenvolvido o contrato jurídico que estabelece todos os direitos dos detentores do token.  Em alguns casos, nessa mesma fase, cria-se uma conta Escrow para recebimento dos investimentos, assim tanto o emissor e o comprador conseguem receber sua parcela da negociação.

2° etapa – Emissão de Token: após estabelecer os direitos jurídicos das partes e validação da existência do bem, segue-se para fase de criar o token propriamente, momento este de representar digitalmente o ativo. Nessa etapa cria-se um smart contract, que contém as regras de negócio estabelcidas pelo emissor desse Token.

É através da tecnologia blockchain em uma rede blockchain ( rede que é segura, criptografada e imutável) que é possível criar um smart contract, para que a distribuição desse token seja realizada.

Uma curiosidade: a rede  pública de blockchain mais utilizada para criação de smart contracts é a pioneira Ethereum.  A rede Blockchain opera como um livro contábil estruturado de forma distribuída, que armazenam e disponibilizam para acesso as informações transacionadas que formam blocos, estes são sequenciais e encadeados. O processamento dessas informações são realizados por diferentes comutadores (nós) ao redor do mundo.

3° etapa – Listagem ou Distribuição: após a criação do token e as definições de suas regras de venda, eles são publicamente apresentados aos investidores por meio de uma plataforma tokenizadora, especializada neste serviço.  Assim os interessados podem manifestar e realizar aquisição dos direitos do ativo que desejam representados pelo token.

4° etapa – Governança:  nessa última fase os investidores têm acesso ao retorno referente ao token comprado.  Também é possível acompanhar as atualizações do projeto ao qual o token faz parte, e do mercado ao qual está inserido.

Como é o processo de Tokenização de um ativo não regulado ( utility token ) ?

Para utility tokens como o próprio nome já diz, é necessário que o token forneça uma utilidade ao comprador. Existem no mercado diversos tokens utility sem utilidade e com a promessa que após a conclusão do projeto da emissora do tokens eles serão usados para algum fim especifico.

Vamos pegar o exemplo da rede Ethereum, seu token é o Ether. E com ele é possível utilizar de diversos projetos que rodam na rede Ethereum, como as exchanges descentralizadas, games e outras centenas de aplicações descentralizadas.

Mas vamos aos passos para a emissão de um token utility:

1° etapa - Utilidade e regras de uso:

Antes de emitir seu token é recomendado que seja detalhado qual será a utilidade do token que esta sendo distribuído ou comprador pelos usuários, quanto mais claro for isso maior será a credibilidade no projeto. É fundamental especificar quando o token poderá ser usado e também o destino do dinheiro que será captado, muitas vezes essas regras podem ser definidas no próprio token, já que ele é um código que pode ser aplicado regras de negócio. 

2° etapa - Criação:

Uma empresa especializada na criação de tokens irá desenvolver o token, e é recomendável que uma outra faça uma auditoria técnica de vulnerabilidade e se as regras que foram publicadas aos compradores foram inseridas no código.

3° etapa - Emissão em uma corretora:

Agora com o token criado e publicado na rede de produção, a fase seguinte é a emissão dos tokens em uma exchange centralizada ou descentralizada. Dessa forma as pessoas poderão realizar compras, outra método é o próprio emissor realizar vendas e um hotsite.

4° etapa - Dar a utilidade ao token

Por último, é que o token possa ser utilizado conforme o planejado e que seja construído um ecossistema em torno do token para que cada vez mais ele tenha valor como ocorre com o Ether do protocolo Ethereum. Pense aqui no ticket comprado na quermesse, ele só poderá ser usado lá dentro e caso não tenha produtos ele não terá valor, agora quanto mais barracas aceitarem o ticket mais será a demanda de compra.

Lembre-se todas essas vantagens e possibilidades estão atreladas a tecnologia blockchain que opera em rede descentralizada e sem intermediários, por isso, algumas responsabilidades devem ser bem claras a quem adota a tokenização. 

Importante ressaltar que no Brasil, especificamente a Security Tokens, para que seja feito uma emissão é preciso obter a licença de operação fornecida pela CVM -Comissão de Valores Mobiliários, o demais tokens que não se referem a ativos mobiliários até o momento podem operar sem licenciamento de órgãos reguladores. 

Diante de tudo que discutimos até aqui podemos concluir que a tokenização de ativos veio para ficar! Ainda que recente, a nova dinâmica financeira já está acontecendo e cada vez mais as pessoas vão se deparar com essa nova maneira de operar as finanças e migrar para esse modelo.

É importante disseminar que a tokenização opera de modo que os investimentos oferecem segurança, agilidade, acessibilidade e transparência às transações.  

Realmente a Era da Tokenização está no início e com perspectivas futuras promissoras. Estudos da Finoa, plataforma de ativos digitais, apontam que entre o período de 2025 à 2027, a projeção de transação de ativos tokenizados representará  até 10% do PIB mundial.

Em simulação a Finoa,  criou um racional conservador para determinar o tamanho potencial do mercado de tokenização  global, eles levaram em consideração somente os ativos financeiros, e chegaram a projeção $ 24 trilhões de ativos financeiros até 2027, essa projeção ainda tem chances de ser até maior se considerarmos os ativos intangíveis que vem demonstrando crescimentos significativos.

Em outras palavras, a Era da Tokenização irá modernizar e acelerar ainda mais os modelos de negócios e de trabalho rotineiros, em especial ao que se refere aos ativos reais. 

Para saber mais sobre esse universo veja também:

Siga a gente em nossas redes sociais que estão no nosso rodapé do site !

Obrigado e até o próximo. Ahh e se gostou compartilhe 😊

Aviso Legal: Esta postagem é apenas para fins educacionais. Não constitui um conselho de investimento ou uma recomendação ou solicitação para comprar ou vender qualquer investimento e não deve ser usado na avaliação do mérito da tomada de qualquer decisão de investimento. Não deve ser invocado para aconselhamento contábil, jurídico ou tributário ou recomendações de investimento.

Postagens recentes

blog
Talita Paes

Celebridades que utilizam NFTs

Celebridades que utilizam NFTs Por que celebridades como Neymar e Justin Bieber estão de olho nas NFTs Os NFTs caíram no gosto de celebridades, nomes

Read More »
EnglishPortuguêsEspañol